As tendências para o ambiente empresarial em um mundo em que a ética é cada vez mais importante.

Petrucio Chalegre

petrucio chalegre

O mundo inteiro tem uma demanda crescente por ética. Esta inclinação pode ser hoje mais evidente, porém ela vem se acentuando através dos séculos. Nos tempos napoleônicos a guerra podia ser, aos olhos dos guerreiros, uma coisa cheia de glória, mas já nas guerras mundiais do século passado elas nada mais eram do que carnificinas e tragédias aos olhos da maior parte dos seres humanos.

Assim também o ambiente empresarial foi atingido por uma consciência mais aguda a medida que avançamos no tempo. A revolução industrial foi o evento que pôs a nu o ponto a que podia chegar a miséria humana no trabalho.

Então, em um novo século, com as indústrias com cada vez menor peso no emprego mundial; com as máquinas fazendo os trabalhos mais pesados e a cada dia avançando em novas tarefas; com o crescimento do setor de serviços a ponto de ser majoritário nas economias mais avançadas; a visão ética do trabalho e a exigência social por condições cada vez melhores de atividade está atingindo patamares cada vez mais altos.

Desta forma as empresas são instadas não somente a pagar bons salários e terem boas condições físicas de trabalho, mas também a ter relações sociais felizes, a promoverem o estímulo do entusiasmo, a terem chefes amigáveis e motivadores em lugar de autoridades e cobranças puras.

A inserção ambiental, em um planeta em crescente degradação pelas mãos do homem, tomou foros de exigência, de pressão tão grande que pode inviabilizar vários negócios a força de regulamentos , controles e boicote de consumidores.

Filosófica e politicamente não basta mais ser uma empresa viável economicamente, é preciso sentir-se justificado por estar construindo um mundo melhor, é típico o que sucede com os produtores de cigarros, cada vez mais encostados à parede pelas restrições publicitárias e ojeriza da maioria não fumante.

O ápice é a nova demanda por espiritualidade, pede-se que o egoísmo, motor básico do estímulo bem sucedido do capitalismo, ele mesmo seja substituído por uma consciência mais refinada que motive o homem a partir de suas virtudes de compaixão, idealismo e interesse pelos outros.

É realmente de se perguntar até onde pode ir esta crescente tendência que leva a humanidade a um outro patamar de percepção interna.

Pessoalmente creio que há enorme caminho ainda a ser percorrido e que um novo tipo de empresa está apenas no nascedouro e que teremos com este movimento um aperfeiçoamento de toda a espécie humana.

2017-05-05T20:16:51+00:00 agosto de 2016|Sem categoria|0 Comentários
Petrucio Chalegre
Especialização em marketing e processos gerenciais de equipes comerciais. Implantou pessoalmente sistemas comerciais em mais de 60 empresas, integrando recursos humanos e estratégias de marketing e negócios. Autor do livro “O Princípio dos Interesses Coincidentes”, é experiente palestrante e conferencista. Fundador da Prajna Consultoria, é seu diretor-presidente desde 1993.